Transformando sua paixão em negócio

Ontem resolvi fazer uma pergunta no meu instagram. Saber o que diabos eu poderia ensinar para você, meu seguidor.

Eu manjo de muita coisa nessa vida, e pra variar, eu amo ensinar. Unindo o útil ao agradável eu acho que consigo passar a frente muito conhecimento meu.

A maioria das pessoas se viu interessada sobre montar um negócio online, e começar a trabalhar com a internet, e eu quero falar um pouco mais sobre isso. Mas, antes, preciso que você entenda que existem dois caminhos aqui:

Um deles é o que você irá trocar suas horas por dinheiro. Ou seja, sendo um freelancer mesmo. Isso é muito bom porque você consegue trabalhar de casa, sem problema nenhum, e você mesmo faz seu horário.

Eu mesmo ainda trabalho como professor de idiomas freelancer, e isso corresponde a 40% da minha renda mensal. Já correspondeu bem mais, mas meus outros negócios online começaram a prosperar, e é sobre eles que eu falo agora.

O segundo caminho é onde você cria algo seu. Constrói sua própria autoridade na internet, sobre alguma coisa que você entende muito, ou domina.

Por isso que você vê essas meninas que manjam muito de maquiagem fazendo seus próprios cursos. Pode não parecer, mas elas faturam na casa dos cem mil reais cada vez que resolvem abrir uma turma nova dos seus cursos e treinamentos.

Esse é o melhor caminho, ao meu ver.

Você descobrir algo que você é bom em fazer, traçar um plano de ação, e lançar seu produto online.

Cadu Cassau (Se Joga, Cara!) é um amigo meu, e já trabalhamos juntos antes. Ele entende muito sobre viagens e autoconhecimento. Não a toa, ele tem seu próprio curso ensinando você a ser um nômade digital! Ou seja, viajar e trabalhar pela internet. Se quiser conferir, por sinal, só clicar aqui.

Baseado nisso, eu vou começar uma nova jornada também. Onde eu ensinarei você, leitor, ouvinte (podcasts), ou espectador (youtube), a descobrir sua grande paixão, e começar um negócio online. De uma vez por todas!

Te vejo em breve, pro nosso primeiro exercício.

Por que correr todos os dias?

Eu acho essa pergunta extremamente complicada de responder com exatidão. Sei lá cara… Eu não tenho um grande motivo pra correr todos os dias.

Na verdade, correr sempre me pareceu extremamente chato e entediante. Mesmo que eu soubesse que todas as grandes mentes do mundo correm aí suas duas horas matinais, todos os dias.

Eu não sou muito fã de exercícios de movimento, sabe? Na real sempre fui uma pessoa que é extremamente ligada com exercícios de se ficar parado.

Pra mim, a academia é um paraíso, porque eu não preciso me mexer. Apenas levantar pesos.

Mas ainda assim, nessa minha luta eterna contra a balança, eu sempre entendi que exercícios de movimento são, ao menos pra mim, a melhor forma de se emagrecer, perder calorias, não ficar tão barrigudo, blablabla.

Eu sou extremamente preocupado em não engordar, é uma tremenda falha minha. E isso reflete totalmente na minha auto-estima. Se eu me sinto muito gordo, não curto nem sair de casa, porque não me faz bem.

Recentemente comecei a praticar a meditação de aceitação, no app do Headspace e tal.

A grande pira da aceitação não é diretamente aceitar você como é. (Eu pensava que era isso)

A grande pira mesmo é jogar uma pergunta dentro de você, e observar como ela se comporta.

Dentre as várias que joguei, uma delas foi: Vou mesmo ficar pulando de galho em galho em busca de alguma forma de não me esforçar e emagrecer, ou eu engulo essa porra, e vou atrás definitivamente de fazer o que eu sei que funciona?

Então, é isso. A pergunta continua ressoando aqui na cabecinha. Mas, enquanto isso, eu corro.

Desde segunda-feira, minha meta é de 2km por dia. Eu pensei que ia ser fácil.

Tá ligado o Barney Stinson, quando fala que pra correr uma maratona é só ir e correr? Eu achei que era isso mesmo…

Me fodi!

Correr nesse diacho é muito mais difícil que eu pensava. As panturrilhas queimam de dor, e a canela então, nem se fala. Eu tenho que correr 2km e me jogar no chão por alguns bons minutos.

Mas olha só. O grande motivo pelo qual muitas pessoas aí fazem isso, é porque a corrida incentiva o pensamento e raciocínio lógico. Deve ter algum artigo científico por aí falando sobre isso, mas eu sinceramente não tenho saco pra pesquisar isso agora.

No meu caso, foi com a otimização de tempo. Comecei a ouvir o Pimsleur de Francês.

É uma grande meta minha pra esse ano, aprender esse diacho desse idioma.

Então é bem simples. Eu fico lá, correndo, repetindo francês, e esquecendo como se fala “não agora”, em Francês. Tentei lembrar, mas não dá. Não sei que demônio é esse.

Continuo sem lembrar.

Mas, vou continuar a correr.

Hoje não rolaram 2km, só consegui fazer um. Acho que preciso de descanso mesmo por hoje.

Faremos uma recapitulação daqui a uma semana, ok?

Beijo no popô.

Enchanté (2017)

Um novo disco está no processo de fabricação.

AGENDA (2019)

09.06 – Curitiba/PR (Fui Pará) -> Ingressos.

07.07 – Joinville/SC (Jardim Criativo) -> Ingressos.